Monato: Junio 2010

Finfine Fanzeranto aperis.

Saluton karaj.

Bone mi neniam pensis ke estus tiel malfacila eldoni revuon, sed mi ĉiam revis fari tion, do kune karaj agemaj amikoj ni sukcesis fari la unuan numeron de nia revueto, Fanzeranto, jes ĝi estas preta, kaj mi tutkore dankas al Maria Sobral el Silvianópolis – Brazilo, dank´al ŝi la revuo estis reviziita kaj korektita, mi tutkore dankas ankaŭ al Rafael Mattos el São Lourenço – Brazilo, li ke ankoraŭ ne parolas Esperanton jam estas esperantisto, ĉiam li estimulis min ne lasi la revuon, mi ankaŭ dankas al Joe Basílio el Formiga – Brazilo, li agema esperantisto legis la unuan numeron kaj donis al mi lian opinion, mi tutkore dankas al ĉiuj kiuj helpis min en la farado de ĉi tiu revo. Do profitu karaj kaj daŭrigo helpante min eldoni la duan numeron!

Versio por legi:
fazeranto_base

Versio por presi:
NUMERO_1

Esperanto estas la dua lingvo rilate kvanto da artikoloj en katolika retpaĝo

Laŭ informoj de D-ro. Lauro Mattesson la katolika rilateca paĝo “Nação Católica” – Katolika Nacio jam planas enmeti em sia lingvaj agordoj Esperanton.
Hodiaŭ Esperanto estas estas la dua lingvo rilate kvanto de artikoloj en la paĝaro, kelka geesperantistoj uzas la paĝaro por divastigi informojn pri la elsendoj de Vatikana Radio, pri artikoloj de IKUE (Internacia Uniĝo de Katolika Esperantistoj) kaj informoj pri SAKE (Sendependa Asocio de Katolikaj Esperantistoj).
Lauro informis nin ke la administrantoj de la paĝaro apogas lian propagandon, li kredas ke post la tradukado de la paĝaro, ĝi pligandiĝos pli boné, kaj ĝi povos kunigi la plej granda nombro da fiduloj en la tuta mondo.
Oni jam scias ke la katolika eklezio apogas Esperanton, la Papo je du specialoj eventoj (Pasko kaj Kristnasko) salutas la mondo ankaŭ en Esperanton.
La paĝaro Katolika Nacio estas verko de ASJ (Asocio de la Moŝto Jesuo) kaj TV 21 Jarcento.
Repaĝo de Katolika Nacio:
http://www.nacaocatolica.com.br

Esperanto segundo lugar em número de artigos em site Católico

Segundo informações do Dr. Lauro Mattesson o site de relacionamentos católico “Nação Católica” já tem planos de introduzir o esperanto como opção de linguagem na interface do site.
Hoje o esperanto é a segunda língua com maior número de artigos em tal site, alguns esperantistas católicos usam o site para divulgar as transmissões da rádio do Vaticano, informações da IKUE (União Internacional de Católicos Esperantistas) e da SAKE (Associação Independente de Católicos Esperantistas).
Lauro informou que o site tem apoiado a sua propaganda, ele acredita que com a tradução da interface do site o mesmo terá uma amplitude maior, e poderá congregar um maior número de fiéis ao redor do mundo.
É sabido que a Igreja Católica apóia o esperanto, o próprio Papa em duas ocasiões especiais (Páscoa e Natal) saúda o mundo também em esperanto.
O site Nação Católica é um empreendimento da ASJ Associação do Senhor Jesus e TV Século 21.

Ata do VI SUMIRE

ASSOCIAÇÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA “LÁZARO LUÍS ZAMENHOF”
Fundada em 19.07.2002. Criada em 31.03.2007
Rua da Tijuca nº 51, Fundos. Centro CEP: 37550-000 – Pouso Alegre-MG – Brasil
Caixa Postal 202 – CNPJ: 08.966.649/0001-73
Tel: [55] (0..35) 3423.0980 (Moretti) 8815.8460 (Fábio) 3423.7887 (Garcia)

http://www.ekpa.cjb.net esperanton@gmail.com

ATA DO VI SUMIRE – SUDMINASA RENKONTIĜO DE ESPERANTO
Aos trinta dias do mês de maio do ano de dois mil e dez, no Conservatório Estadual de Música “Juscelino Kubitschek de Oliveira”, situado à Rua Francisco Salles, nº 116, Centro, em Pouso Alegre, Estado de Minas Gerais, realizou-se o VI SUMIRE – SUDMINASA RENKONTIĜO DE ESPERANTO, promovido e coordenado pela ASSOCIAÇÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA “LÁZARO LUÍS ZAMENHOF”, de Pouso Alegre, Minas Gerais, com o tema principal denominado ESPERANTO – IMPORTANTE INSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL e o objetivo de divulgar o ensino do idioma Esperanto para a sociedade. Presentes sessenta e quatro pessoas, representantes de dezoito municípios, a saber: Juiz de Fora – MG, São Sebastião – DF, Divinópolis – MG, Formiga – MG, Rio de Janeiro – RJ, Caxambu – MG, Alfenas – MG, Paraguaçu-MG, Pouso Alegre-MG, Varginha – MG, Conselheiro Lafaiete-MG, Poços de Caldas-MG, Guarulhos-SP, Belo Horizonte – MG, Heliodora – MG, São Paulo-SP, Petrópolis-RJ e Três Corações – MG. O evento iniciou às 08:00 horas com a recepção e boas vindas aos participantes acompanhado do café da manhã. Às 09:00 horas, no auditório, foi efetuada a abertura pelo Sr. Presidente da Associação Zamenhof, Evandro Luís Gouvêa, dizendo da satisfação desse encontro nesta cidade, da importância do ensino do Esperanto, agradecendo a presença de todos. Das 09:10 às 10:40 horas foi proferida no auditório, a palestra em português, sobre “Bilingüismo”, pelo Professor José Passini, Presidente da Bel-Liga Brasileira de Esperanto, de Juiz de Fora, Minas Gerais. Das 10:40 às 12:00 foram apresentados simultaneamente quatro programas, o primeiro, no auditório, palestra em Esperanto sobre seu livro “Método de Esperanto”, com o Professor Josias Ferreira Barbosa de Brasília – DF; o segundo programa foi sobre o método de ensino “Curso de Esperanto” do Professor Jair Salles, proferida por ele mesmo, da cidade do Rio de Janeiro – RJ na sala denominada, “Claude Piron”; o terceiro, uma “Roda de Conversação – Unificação do Movimento Esperantista” apresentado em Esperanto, pelo Professor Márcio Santos, do Rio de Janeiro – RJ, na sala “Sylla Chaves”; e o quarto programa da manhã na sala denominada “Elvira Fontes”, foram apresentados filmes legendados em Esperanto. Das 12:00 às 13:30 horas foi concedida uma pausa para o almoço. Das 13:30 às 14:30 horas foram feitas apresentações musicais no auditório. Das 14:30 às 15:50 horas, no auditório, foram apresentadas informações sobre a BEL – Liga Brasileira de Esperanto, pelo seu Presidente José Passini, falando estar neste cargo desde 2007; do Projeto de Lei do Senador Cristóvão Buarque com o Esperanto como disciplina optativa em todo o ensino médio no Brasil, já tendo passado pelo Senado estando no momento na Câmara dos Deputados; que cada esperantista seja incansável na divulgação desta língua internacional; da língua desconhecida das universidades com alguns sentimentos de recusa; que se dispõe a comparecer a qualquer evento e debate sobre a visão lingüística e humana e a validade do esperanto; que vagarosamente esta língua tem conquistado terreno e não tem perdido o já conquistado; do 45º Congresso Brasileiro de Esperanto em Campo Grande-MS, de 13 a 17.07.2010; da eleição da nova diretoria da BEL em 15.07.10, para o novo triênio; da revista da BEL- Brazila Esperantisto, com três edições neste ano; em sua gestão, em parceria com a União Planetária, a publicação de dois livros didáticos de altíssimo nível internacional do autor Josias Ferreira Barbosa, em 2008 e 2010 dois volumes do aluno e do professor em cada ano e dois cd’s; de notícias de parceria da BEL com a Capes/CNPq; da intenção da Bel processar comunicados informativos aos seus associados; do planos da BEL disponibilizar a aquisição de bibliografia pela internet; da gramática do Bertilo (Plena Manlibro de Esperanta Gramatiko), uma obra do século 21, abrangendo todos os problemas gramaticais, acessando pelo google: pmeg bertilo, tendo também a edição em livro; do Manual Completo da Gramática do Esperanto – Plena Analiza Gramatiko e da fase de conclusão dos trabalhos para os exames da BEL para a concessão de certificados. Das 16:00 às 16:30 horas foi apresentado no auditório, em português, o Projeto Esperanto nas Escolas, por Denize Fripp, de Pouso Alegre – MG. Das 16:30 às 17:00 horas, foi concedido um momento lúdico, com sorteio de brindes no auditório. Foi informado que a escolha da próxima cidade para sediar o SUMIRE será definida posteriormente. Foi encerrado este VI SUMIRE pelo Diretor Social da ASSOCIAÇÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA “LÁZARO LUÍS ZAMENHOF”, de Pouso Alegre, Sr. Fábio Silva. Também foi servido o café da tarde como despedida dos participantes. A presente ata e a lista dos participantes serão disponibilizadas nos sites http://www.sudminasa.wordpress.com , http://www.asociozamenhof.50webs.com, ekpa.cjb.net e poderá ser solicitada ao e-mail esperanton@gmail.com. Sendo que nada foi dito ou apresentado, o encontro foi encerrado, e para que se produzam os efeitos legais, eu Denize Terezinha Fripp, secretária da ASSOCIAÇÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA “LÁZARO LUÍS ZAMENHOF”, lavrei a presente ata, que foi aprovada pela a Assembleia e que vai ser transcrita no livro de atas e assinada por todos. O que vai registrado nesta reflete o que foi abordado a que se refere aos assuntos, que evidentemente foram resumidos e condensados, mas o seu conteúdo é sempre preservado.

O que é Esperanto?

Tudo que você gos­ta­ria de per­gun­tar, mas nunca soube para quem!

O que é Esperanto?
Flago de Esperanto

O Espe­ranto é a mais falada das lín­guas inven­ta­das e pla­ni­fi­ca­das. A segunda mais fácil é a “lín­gua do P”, mas esta não teve tanto sucesso longe dos cír­cu­los soci­ais da pré-escola. Luís Lázaro Zame­nhof, médico polo­nês, com­ple­tou a ver­são ofi­cial do Espe­ranto em 1887. Sua inten­ção era criar uma lín­gua de fácil apren­di­za­gem, que ser­visse como segunda língua para toda a popu­la­ção mundial, e não, como mui­tos supõem, para subs­ti­tuir todas as lín­guas exis­ten­tes. Seus radi­cais vêm do latim, grego e lín­guas esla­vas, e a cons­tru­ção de pala­vras e fra­ses é seme­lhante ao grupo de lín­guas orientais.

E Espe­rando?

Gerún­dio do verbo “esperar”.

Pffff… isso não é meio inú­til? Já temos o inglês, que é super fácil!

Todas as lín­guas têm as van­ta­gens e des­van­ta­gens. Seria mes­qui­nha­ria des­pre­zar a bela lín­gua de Sha­kes­pe­are, Mark Twain e Capi­tão Amé­rica. No entanto, ela está longe de ser a mais fácil de aprender.

Van­ta­gens do inglês:

A gra­má­tica inglesa é mais sim­ples que a das lín­guas lati­nas. Só há um artigo defi­nido (the), o que sim­pli­fica seu uso, ao con­trá­rio do por­tu­guês, por exem­plo, onde um estran­geiro se atra­pa­lha com os arti­gos (o tele­fo­nema ou a tele­fo­nema? / o tribo ou a tribo?)

Os ver­bos não se fle­xi­o­nam (a não ser na ter­ceira pes­soa do pre­sente), evi­tando erros como “agora é eu, nós acha, fazem anos, etc”.

Des­van­ta­gens do inglês:

O que difi­culta são os ver­bos irre­gu­la­res (lembrem-se daque­las famo­sas qua­tro colu­nas no final de todo livro de inglês: pre­sent — past par­ti­ci­ple – infi­ni­tive – translation).

O inglês pos­sui uma orto­gra­fia mais com­pli­cada do que parece (tanto que exis­tem até com­pe­ti­ções esco­la­res para sole­trar palavras).

Uma letra pode ter vários sons.

O plu­ral nem sem­pre é regu­lar (piano – pia­nos, tomato – toma­toes, datum – data, cam­pus — campi). Sem dizer que os ori­en­tais tem sérios pro­ble­mas com os fone­mas da lín­gua inglesa.

Exis­tem diver­sas pala­vras que são escri­tas de forma dife­rente, mas pos­suem pro­nún­cia seme­lhante. Ex.: “right”, “wright”, “rite”, “write” / “cite”, “sight”, “site” / “serial”, “cereal”

Difi­cil­mente haverá pes­soas dis­pos­tas a lhe ensi­nar inglês de graça.

Abaixo mos­tro alguns exem­plos de como o inglês é defi­ni­ti­va­mente difí­cil para cer­tos povos. Estas são fotos tira­das de alguns dos diver­sos avi­sos em paí­ses ori­en­tais des­ti­na­dos a turis­tas estran­gei­ros. Saca só o tal “domí­nio mun­dial” do inglês.

Sen­tido ori­gi­nal: (não faço a mínima idéia)
Tra­du­ção: Em caso de os maca­cos estão na flo­resta, você não con­se­guirá achá-los.

Sen­tido ori­gi­nal: (tam­bém não sei, mas supo­nho que seja para você con­tro­lar os intes­ti­nos do seu cachor­ri­nho)
Tra­du­ção: Não der­ru­ba­das! De quem é este ani­mal? Você ensi­nar manei­ras ao seu cão. Então somos aman­tes de cães uns aos outros. Obrigado.

Sen­tido ori­gi­nal: (?)
Tra­du­ção: O note­book tendo linha regrada hori­zon­tal e podendo empa­co­tar é o melhor para arran­jar sentenças.

E daí? Eu aprendi inglês rapidão.

Ah é, sabi­chão? Você está imerso na cul­tura inglesa, uma vez que ela é domi­nante no mundo e, con­seqüen­te­mente, no Bra­sil. Você esteve em con­tato com a lín­gua desde… veja­mos… SEMPRE!

Na grande mai­o­ria das esco­las por aqui, a lín­gua estran­geira ensi­nada é o inglês. Os video-games são em inglês, fil­mes em inglês e nomes de lava-carros, pro­du­tos de lim­peza, loca­do­ras e até res­tau­ran­tes têm nomes ame­ri­ca­ni­za­dos. Você nas­ceu, o médico deu um tabefe na sua bunda e com cer­teza fez *SLAP!* (ono­ma­to­péia inglesa, hã).

Mesmo que seja­mos o quin­tal de grama alta da cul­tura anglos­saxô­nica, muita gente não gosta ou não tem faci­li­dade em apren­der inglês. No entanto, se a pes­soa não qui­ser ficar de fora, terá então que pagar alguns anos de escola de inglês e ainda assim corre chan­ces de não apren­der o tanto quanto gos­ta­ria. Para com­pen­sar o que não apren­deu no curso, essa mesma pes­soa tem que pas­sar alguns meses ou anos em um país de lín­gua inglesa pra apren­der decen­te­mente e, quando vol­tar, esque­cerá 70% do que foi apren­dido. Olha só! Tempo e dinheiro empre­gado que você pode­ria ter usado para comprar:

Um carro;

Ou 44 mil pico­lés de rua;

Ou um pote e meio de catu­piry mal­tês — uma igua­ria em paí­ses de segundo mundo.

Não seria fan­tás­tisco se a segunda lín­gua de todos os paí­ses fosse um idi­oma neu­tro, de fácil apren­di­zado e que colo­casse todos os cida­dãos, inde­pen­dente da lín­gua pátria, em pé de igualdade?

Além do mais, aposto que você nunca ouviu um ori­en­tal falando inglês. Acre­dite, é assom­broso, já que mui­tos dos fone­mas não são comuns naquele lado do globo.

Quanto tempo leva para apren­der Esperanto?

Para ler tex­tos cul­tos um ano já é mais do que o sufi­ci­ente. Em menos de 1 mês eu já con­se­guia acom­pa­nhar jor­nais sem gran­des pro­ble­mas. Léo Tols­toy (pen­sa­dor russo) afirma ter apren­dido espe­ranto em 3 horas, ape­nas com alguns tex­tos e um livri­nho de gra­má­tica de bolso. Por outro lado, conheci um mecâ­nico hún­garo de Buda­peste que jurou haver domi­nado a lín­gua em 15 minu­tos. Por ques­tões his­tó­ri­cas e éticas, Tols­toy tem ligei­ra­mente mais credibilidade.

Por que apren­der Esperanto?

Os moti­vos bei­ram o infi­nito! E como diz um pro­vér­bio checo,

“Kolik řečí znáš, toli­krát jsi člově­kem”. Você vive uma nova vida para cada nova lín­gua aprendida.

Do mesmo jeito que alguém da área de exa­tas deve apren­der inglês e ale­mão, alguém da área das huma­nas deve apren­der fran­cês e latim, alguém que joga xadrez deve apren­der russo ou alguém que faz baru­lhos estra­nhos com as axi­las deve apren­der klin­gon. Apren­der uma lín­gua nunca é demais e o espe­ranto serve para diver­sas causas.

a) Via­gens
Esta lín­gua é ótima para via­jar para outros paí­ses. Exis­tem mais espe­ran­tis­tas pelo mundo do que você ima­gina, e mais pró­xi­mos tam­bém. Há vários rela­tos con­cre­tos de que, em várias cida­des do inte­rior da Europa, por exem­plo, pes­soas falam Espe­ranto como segunda lín­gua, mas não o inglês.
Existe tam­bém um ser­viço geren­ci­ado por espe­ran­tis­tas cha­mado Pas­porta Servo, que dis­po­ni­bi­liza um catá­logo anual com ende­reço e tele­fone de diver­sos espe­ran­tis­tas pelo mundo, caso você pre­cise de um lugar para dor­mir e encher o bucho. Esse pes­soal te rece­berá, você ficará hos­pe­dado de graça numa casa de famí­lia, e todos fica­rão feli­zes como gol­fi­nhos acrobatas.

Quer via­jar para a China para conhe­cer o país durante uns 3 meses? Que ótimo! Se você só falar inglês, é semi-impossível se comu­ni­car com alguém por lá. Se você não se comu­ni­car, não vai abs­trair nada da via­gem. Legal então é apren­der man­da­rim! Mas a não ser que você seja um mag­nata do petró­leo deso­cu­pado, não gas­tará 4 anos da sua vida para estu­dar man­da­rim e só então ir para a China para pas­sar míse­ros 3 meses.

Sabia que um sim­ples jor­nal na China usa apro­xi­ma­da­mente 3000 ide­o­gra­mas? Tente estu­dar isso a sério enquanto você tem um emprego de 40 horas sema­nais ou uma facul­dade pra levar.

b) Famí­lia e ami­gos
Você nunca quis criar uma lín­gua nova pra falar com os seus ami­gos? Então, é a mesma coisa, mas o Zame­nhof já fez a parte chata por você e com acu­rada com­pe­tên­cia. Você pode falar coi­sas indis­tingüí­veis para seus pais, pas­sar cola nas pro­vas, ban­car o estran­geiro em filas de banco com seus ami­gos, usar a lín­gua em uma par­tida de RPG… tem a van­ta­gem de ser bem mais fácil do que apren­der o élfico tolkeniano.

c) Estudo e pes­quisa
De repente você pode encon­trar infor­ma­ções sobre algum tópico somente em Espe­ranto (ou em alguma outra lín­gua; lembre-se, 3000 ide­o­gra­mas!). Há várias obras lite­rá­rias tra­du­zi­das para o Espe­ranto e até escrita dire­ta­mente nesta língua.

Expe­ri­ên­cia pró­pria. Existe um livro do Bul­ga­kov, “Mas­ter i Mar­ga­rita” (em russo), que mal pude encontrá-lo em inglês, quem dera em por­tu­guês. Até que em um belo dia encon­trei uma tra­du­ção para o espe­ranto: “La Majs­tro Kaj Margarita”.


Olha aí o danado.

d) Estudo de outras lín­guas
Foi com­pro­vado que o Espe­ranto auxi­lia no estudo de outras lín­guas, pois treina o seu cére­bro a pen­sar de uma forma que mexe com o esque­leto da lin­gua­gem, sobre­tudo o de sua pró­pria lín­gua mãe. Além do mais, seu voca­bu­lá­rio se expande rápido, já que várias pala­vras pre­sen­tes no Espe­ranto estão tam­bém pre­sen­tes em diver­sas lín­guas indo-européias.

Em certa expe­ri­ên­cia, um grupo de estu­dan­tes do ensino secun­dá­rio estu­dou Espe­ranto durante 6 meses e, depois, fran­cês durante ano e meio, obtendo um melhor conhe­ci­mento de fran­cês do que o grupo de con­trole que estu­dou só o fran­cês durante dois anos. Alguns outros estu­dos suge­rem que o apren­di­zado de klin­gon e lín­gua do P e do W tam­bém são poten­ci­al­mente faci­li­ta­dos após o domí­nio do esperanto.

“Wer fremde Spra­chen nicht kennt, weiß nichts von sei­ner eige­nen”. Aque­les que não conhe­cem as lín­guas estran­gei­ras, não sabem nada sobre a pró­pria língua.

(Johann Wolf­gang von Goethe)

e) Cír­culo social
100% das pes­soas que conheci que se afei­ço­a­ram pelo espe­ranto são extre­ma­mente inte­res­san­tes e gente bonís­sima, tanto pela Inter­net quanto na vida real. Sim! Exis­tem bares e encon­tros de espe­ran­tis­tas por todos os lugares…


… até mesmo no Second Life

Die Gren­zen mei­ner Spra­che bedeu­ten die Gren­zen mei­ner Welt. Os limi­tes da minha lín­gua são os limi­tes do meu universo.

(Ludwig Witt­gens­tein)

Qual é a van­ta­gem do espe­ranto como lín­gua mundial?

Ima­gine a seguinte hipó­tese: você está sen­tado no trono do banheiro, cagando tranqüi­la­mente e, subi­ta­mente, resolve com­pi­lar em um romance todas as idéias que você havia tido até então. Devem ser umas péro­las! Por que não mostrá-las ao mundo? Oras, se você quer que o mundo inteiro saiba da sua filo­so­fia de banheiro, melhor escre­ver nas duas lín­guas mais fala­das — ou inglês, ou chi­nês. Tome­mos o inglês, por moti­vos óbvios (3 mil ideogramas!).

Você se toca logo nos pri­mei­ros pará­gra­fos de que não tem capa­ci­dade de se expres­sar nessa lín­gua. Eu, por exem­plo, achava que falava bem o inglês. Sem­pre con­ver­sei nesta lín­gua pela Inter­net, exceto com ame­ri­ca­nos e ingle­ses, pois eles rara­mente enten­diam o meu senso de humor e eu o deles, além de não terem muita paci­ên­cia quando me fogem os ter­mos e eu fico um bom tempo pen­sando pra escrever.

Tam­bém já morei em um pen­si­o­nato com um ale­mão. Ele falava um inglês meio porco, mas falava. Tam­bém morei com um espa­nhol, mas ele só falava espa­nhol e fran­cês, não falava por­tu­guês nem inglês. Sabe quando você entra em modo “espec­ta­dor” no Coun­ter Strike? Então, ele só ficava flu­tu­ando pela casa, sem inte­ra­gir com ninguém.

Gosto de diva­gar, mas vol­te­mos ao seu livro.

Já que você não con­se­gue se expres­sar, é bom fazer um curso de inglês. Alguns bons anos já bas­tam, até você che­gar no inglês lite­rá­rio. Após esses anos, você não é nenhum Wil­liam Sha­kes­pe­are, mas con­se­gue escre­ver razo­a­vel­mente bem, com algu­mas peque­nas gafes aqui e ali.

Surge agora outro pro­blema. O jeito como nos expres­sa­mos no Bra­sil é dife­rente de como nos expres­sa­mos nos Esta­dos Uni­dos. Ame­ri­ca­nos nunca enten­de­riam como sua mente real­mente fun­ci­ona e nem você sabe como fazê-los enten­der, pois a recí­proca é ver­da­deira. Vamos resol­ver isso! Com­pre uma pas­sa­gem e espere seu visto ser libe­rado para os Esta­dos Uni­dos. Creio que um ou dois anos sejam o sufi­ci­ente para você se adap­tar e mer­gu­lhar de ponta-cabeça na cul­tura ame­ri­cana e na cabeça dos yan­kees (não fisicamente).

Agora você já pode escre­ver seu livro! Seu inglês é bem mais avan­çado e você sabe como pen­sar em “ame­ri­cano”. Com alguma sorte, seu livro “Pen­sa­men­tos de Pri­vada — uma Abor­da­gem Crí­tica” já pode ser lan­çado e estará em pé de igual­dade com algum livro do gênero escrito por um ame­ri­cano. Ops, tem agora um pro­blema. Um ame­ri­cano enten­derá sua men­sa­gem, mas e um inglês? O inglês bri­tâ­nico é dife­rente do ame­ri­cano. E os japo­ne­ses, ale­mães, chi­ne­ses, árabes? Eles tam­bém são parte do Pla­neta Marte. Você não que­ria que o mundo todo lesse seu livro? Nem todos esta­rão aptos a ler um inglês avan­çado, tam­pouco com­pre­en­de­rão a filo­so­fia bra­si­leira pseudo-americana do seu cére­bro de coco-verde.

Alguns paí­ses têm um certo afas­ta­mento natu­ral do inglês por moti­vos his­tó­ri­cos, como alguns do Ori­ente Médio. Alguém no Ira­que, supo­nho, será ter­ri­vel­mente relu­tante à idéia de apren­der o idi­oma dos Esta­dos Uni­dos. Estes, então, esta­rão mais fodi­dos ainda caso quei­ram saber o que um bra­si­leiro pensa enquanto caga.

Além do mais, quando a lín­gua nativa de algum país pre­do­mina sobre o mundo, outras cul­tu­ras são sobre­pu­ja­das pela cul­tura daquele. Com o uso do Espe­ranto, por não ser uma lín­gua nativa de qual­quer país, põe todo mundo em pé de igual­dade para pro­du­zir e expor a cul­tura de qual­quer lugar que seja, sem que ela seja imposta sobre outros paí­ses com a mão da cul­tura consumista.

Você fala demais, hein?

Eu me empolguei.

Tá, tal­vez o inglês não seja tão “uni­ver­sal” assim. Mas não seria uto­pia ima­gi­nar uma lín­gua que fosse falada por todos?

O Espe­ranto é extre­ma­mente fácil de ser apren­dido por qual­quer pes­soa nesse pla­neta, eu juro, e com bai­xís­si­mos cus­tos, quiçá nenhum. A estru­tura da lín­gua é sufi­ci­en­te­mente sim­ples para até o pei­xi­nho dou­rado do seu aquá­rio aprender.

Como é o Esperanto?

Pode ser des­crita como uma lin­gua­gem que é lexi­ca­mente româ­nica e mor­fo­lo­gi­ca­mente aglu­ti­na­tiva (nossa, adoro pare­cer inte­li­gente). A foné­tica, gra­má­tica, voca­bu­lá­rio e semân­tica são base­a­das nas lín­guas indo-européias. O inven­tá­rio fonê­mico é essen­ci­al­mente eslavo, assim como boa parte da semân­tica, enquanto o voca­bu­lá­rio deriva pri­ma­ri­a­mente das lín­guas româ­ni­cas, com uma suave con­tri­bui­ção do ger­mâ­nico. Outros aspec­tos da lín­gua foram influ­en­ci­a­das pelo russo, polo­nês, ale­mão e fran­cês.
Se isso não quer dizer nada para você, ima­gine uma mis­tura de romeno, ita­li­ano e ale­mão. Bonito, né?

A regu­la­ri­dade da lín­gua é outro forte do Espe­ranto. Basta você tomar uma raíz qual­quer, e acres­cen­tar sufi­xos e pre­fi­xos para dar o sen­tido dese­jado. Tome­mos como exem­plo a raíz –akv– (refe­rente a idéia de “água”).

Subs­tan­tivo (sufixo –o): akvo (água)
Adje­tivo (sufixo –a): akva (aquoso)
Advér­bio (sufixo –e): akve (aquo­sa­mente)
Verbo (infi­ni­tivo, sufixo –i): akvi (estar em forma aquosa)
Subs­tan­tivo no plu­ral (sufixo –oj): akvoj (águas)
For­ma­ção de novos subs­tan­ti­vos: akvo­falo (akvo = água, falo = queda, akvo­falo = cachoeira).

A pro­nún­cia das pala­vras é algo muito sim­ples. Cada letra tem o seu som e isso nunca irá variar. Assim como o fato de sem­pre a penúl­tima sílaba da pala­vra ser tônica (AKvo, AKva, akvoFAlo).

Aqui seguem alguns exem­plos de pala­vras que vie­ram do:

Latim: sed (mas), tamen (no entanto), post (após), kvan­kam (ape­sar de), hodia? (hoje) e o sufixo adver­bial –e.
Grego clás­sico: kaj (e), pri (sobre), o sufixo de plu­ral –j, o caso acu­sa­tivo com sufixo –n (”musa” em grego se escreve musa, musaj, musan e no Espe­ranto é muzo, muzoj, muzon”.
Russo e Polo­nês: celo (obje­tivo), klo­podi (esfor­çar), krom (exceto), nepre (abso­lu­ta­mente), nu (bem!), ol (do que), prava (cor­reto em opi­nião).
Lituâ­nio: tuj (imediatamente)

Aqui segue um exem­plo de como o Espe­ranto se parece:

“Tri rin­goj por la elfoj sub la hela ĉiel’,

Sep por la gno­moj en salo­noj el ŝton’.

Naŭ por la homoj sub la morto-sigel’,

Unu por la Nigra Reĝo sur la nigra tron’

Kie kuŝas Ombroj en Mor­dora Land’.

Unu Ringo ilin regas, Unu ilin pre­nas,

Unu Ringo en mal­lu­mon ilin gvi­das kaj kate­nas

Kie kuŝas Ombroj en Mor­dora Land’.”

(Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tol­kien, tra­du­zido para o Esperanto)

Se a lín­gua for sim­ples assim, então não deve ser muito rica…

Você pode mon­tar as pala­vras a bel­pra­zer, com o sen­tido e cono­ta­ção que você dese­jar. Isto torna o espe­ranto uma das lín­guas mais fiéis para tra­du­ção, assim como para se expres­sar e tam­bém para lin­gua­gem científica.

Qual o alfa­beto usado no Esperanto?

Alfa­beto latino, com alguns carac­te­res adi­ci­o­nais (pagi­na­ção Latin-3): ĉ (tch), ŝ (sh), ĵ (j, como em jato), ĝ (dgi), ŭ (u curto, como em auto), ĥ (r, como em rato, mas gutural).

Exis­tem outras lín­guas inven­ta­das, tipo o Esperanto?

Além da Lín­gua do P? Hmmm… sim. Se cha­mava Volapük. Foi cri­ada em 1879 por Johann Mar­tin Sch­leyer, um padre cató­lico em Bal­den, Ale­ma­nha. Sche­leyer afirma haver sen­tido Deus falar com ele em um sonho, para que cri­asse uma lín­gua inter­na­ci­o­nal. Volapük teve a pri­meira sua pri­meira con­ven­ção em 1884 (Fri­e­dri­chsha­fen), 1887 (Munich), e 1889 (Paris).

E deu certo?

Nem tanto. A lín­gua era um tra­ba­lho excep­ci­o­nal e capri­chado, mas extre­ma­mente difí­cil para qual­quer um apren­der. Nas con­ven­ções, nin­guém se enten­dia. Quando o Espe­ranto sur­giu em 1887, sendo muito mais fácil de apren­der, o Volapük foi à falên­cia total.

O Fat obas, kel binol in süls, pai­sa­lu­domöz nem ola!
Kömomöd monargän ola!
Jenomöz vil olik, äs in sül, i su tal!
Bodi obsik väde­liki govolös obes adelo!
E par­dolös obes debis obsik,
äs id obs aipar­dobs debe­les obas.
E no obis nin­du­kolös in ten­dadi;
sod aida­li­volös obis de bas.
Jenosöd!

(Oração “Pai Nosso”, em Volupük. Maca­bro, não?)

Quan­tas pes­soas no mundo falam Espe­ranto atualmente?

Difí­cil saber, mas estima-se que há entre 2 e 10 milhões.

Há alguma rela­ção entre Espe­ranto e Espiritismo?

Não, ape­sar do Espi­ri­tismo enco­ra­jar o apren­di­zado da lín­gua por causa da filo­so­fia de união e igual­dade mun­dial. Outras reli­giões tam­bém enco­ra­jam tal, como a Oomoto e a Fé Bahá’í. Alguns espe­ran­tis­tas dizem tam­bém que o Espe­ranto foi uma lin­gua­gem pro­je­tada no plano astral e repas­sada a Zame­nhof. Mas nisso, você acre­dita se quiser.

Bah, Espe­ranto é uma lín­gua que foi inven­tada só pra falar sobre Esperanto.

De onde você tirou essa idéia insen­sata? Exis­tem revis­tas (sim, de papel ou vir­tu­ais) sobre cul­tura geral, ciên­cia e tec­no­lo­gia, cos­mo­lo­gia, humor, reli­gão etc.

Revista em espe­ranto sobre assun­tos gené­ri­cos, de culi­ná­ria a ten­dên­cias no mer­cado de boli­nhas de golfe.

Algu­mas rádios tam­bém trans­mi­tem parte da pro­gra­ma­ção em Espe­ranto, como por exem­plo, a Radio Polo­nia. Cli­que aqui e ouça um pouquinho.(http://www.radioarkivo.com/arkivujo/pol/pol-20071024.mp3)

O vídeo abaixo é de um coral bra­si­leiro can­tando uma can­ção fol­cló­rica da Cata­lu­nha em espe­ranto. Vale a pena assis­tir e ouvir, tam­bém pela breve expli­ca­ção no começo do vídeo.

Não gosto des­sas coi­sas, pre­firo algo mais divertido.

Alguns car­tu­nis­tas como o Ziraldo escre­vem dire­ta­mente em Espe­ranto ou per­mi­tem que suas obras sejam traduzidas.


“Mal­va­dos” em esperanto

Há pes­soas que tam­bém estão em pro­je­tos de tra­du­ção de jogos para com­pu­ta­dor, como tam­bém de manu­ais e inter­fa­ces grá­fi­cas do Linux.

Dá pra ganhar dinheiro com Esperanto?

Não sei, mas se você des­co­brir, me avise.

“Hoje embol­sei R$34,95 por uma tra­du­ção de por­tu­guês pra espe­ranto. Acabo de con­fir­mar o depó­sito no caixa ele­trô­nico e vim apres­sado pra casa pra final­mente res­pon­der por expe­ri­ên­cia pró­pria que sim, dá pra ganhar dinheiro com espe­ranto.“
(Espe­ran­tista que não quis se identificar)

Dá pra usar no computador?

Sim, gra­ças aos carac­te­res Uni­code você pode escre­ver até em can­to­nês. O jeito mais fácil que eu conheço é ins­ta­lar um suporte ao Por­tu­guês Uni­code nas con­fi­gu­ra­ções do Win­dows. O pro­grama que faz isso auto­ma­ti­ca­mente se chama EoKla­varo.

Para usar os carac­te­res dife­ren­tes (como ŝ ou ĝ), basta usar o acento cir­cun­flexo (^) antes das letras, como se fosse acentuá-las e pronto! Ah, e os acen­tos nor­mais do por­tu­guês con­ti­nuam os mes­mos. Bacana, né?

E se eu não qui­ser ins­ta­lar isso?

Você pode usar a letra “x” depois das letras “esqui­si­ti­nhas”. Desse modo, ĝ = gx, e ĵ = jx. Se você escre­ver assim na Inter­net, não haverá pro­blema nenhum e todos te entenderão.

Parece tudo muito fácil. Tem alguma coisa que possa me assus­tar nessa língua?

O indi­ví­duo que exerce uma ação expressa pelo verbo é o pra­ti­cante ou sujeito da ora­ção; aquele sobre o qual dire­ta­mente incide a ação do sujeito é o com­ple­mento direto, tam­bém deno­mi­nado objeto direto. Nesse caso, o objeto recebe um sufixo –n para indi­car a decli­na­ção do “acu­sa­tivo”. Dessa maneira, o sen­tido da frase estará mais imbu­tido nas pala­vras do que na frase em si. Exemplo:

Vidi la patron = La patron vidi (”Ver o pai”. Vidi = ver, la = o(a)(s), patro = pai).

Ha! Sabia que tinha alguma treta… esse negó­cio de “decli­na­ções” deve ser um pé no saco.

Isso é pre­guiça da nossa parte. Diver­sas lín­guas usam decli­na­ções e elas são muito úteis. Isso faz com que a ordem das pala­vras na frase seja menos rele­vante, tornando-as muito mais fle­xí­veis. O ale­mão tem 4 decli­na­ções, o latim e grego têm 5, russo têm 6 e o fin­lan­dês tem 14. Vai encarar?

Exis­tiu alguém famoso que apre­ci­ava o Espe­ranto? Sou maria-vai-com-as-outras!

Sim. Gui­ma­rães Rosa, João Paulo II, Eins­tein, Edu­ardo VII da Ingla­terra, Mahatma Gandhi, Mao Tse Tung, Pio XII, João XXIII, Pelé, Julio Verne, Bau­doin de Cour­te­nay, Otto Jes­per­sen, entre vários outros.

O Espe­ranto já deu o ar da graça por aí e eu não percebi?

Com cer­teza! Dois fil­mes foram pro­du­zi­dos com diá­lo­gos intei­ra­mente em Espe­ranto: Ango­roj, em 1964 e Incu­bus (estre­lando Wil­liam Shat­ner em 1965). O filme Gat­taca tam­bém usa o Espe­ranto no anún­cio de coi­sas atra­vés de sis­te­mas de ende­re­ços públicos.


Incu­bus de 1965. Zum­bis, loi­ras pos­suí­das, Capi­tão Kirk e espe­ranto — o que mais pode haver de bom?

O anime Rah­Xephon faz uso do Espe­ranto para o acrô­nimo de TERRA, que sig­ni­fica “Tereno Empi­reo Rapid­mova Reak­cii Armeo”. Isso pode ser tra­du­zido como “Exér­cito de Res­posta Rápida do Impé­rio da Terra”, ape­sar de que o safado que criou isso pro­va­vel­mente não falava espe­ranto. Um Espe­ranto mais cor­reto seria “Rapid-Reaga Armeo de La Tera Imperio”.

O com­po­si­tor ame­ri­cano Lou Har­ri­son, que incor­po­rou vários esti­los e ins­tru­men­tos pro­ve­ni­en­tes de diver­sas cul­tu­ras, usava o Espe­ranto para dar nomes às suas músicas.

O MMORPG Final Fan­tasy XI usa o Espe­ranto no tema de aber­tura, em uma parte da música cha­mada de “Memoro de la Ŝtono”, que tra­du­zindo quer dizer “Memó­ria da Pedra”.

No filme Blade III, há uma cena em que o diá­logo é feito em Espe­ranto. Mui­tos sinais são per­cep­tí­veis nesse filme, que são escri­tos em Espe­ran­tos. Inclu­sive, um dos per­so­na­gens é visto assis­tindo Incubus.

No filme “O Grande Dita­dor” de Char­lie Cha­plin, os letrei­ros das lojas são todos escri­tos em esperanto.

Tudo bem, por onde eu começo?

Você pode come­çar por:
Curso de Espe­ranto — pro­grama para apren­der espe­ranto pelo com­pu­ta­dor
Lernu.net — Alguns toques sobre o apren­di­zado da lín­gua
Espe­ranto UNICAMP — Novi­da­des vin­das do núcleo de estu­dos de Espe­ranto da Uni­ver­si­dade de Cam­pi­nas. Anún­cios de cur­sos, pales­tras, e tudo de supimpa que você possa que­rer assistir!

Envie suges­tões e crí­ti­cas para o e-mail: cafetron@nebulosabar.com

Fon­tes

Espe­ranto новости (em russo)
Fin­nish Gram­mar — Cases (em inglês)
Wiki­pe­dia — Espe­ranto (em inglês)
Wiki­pe­dia — Latin (em inglês)

Agra­de­ci­men­tos

Comu­ni­dade Espe­ranto — Lín­gua Mun­dial e Espe­ranto Bra­sil no Orkut, em espe­cial para Paulo Geyer, Wel­ling­ton Nas­ci­mento, Raoni Souza, Felipe Quei­roz e Mar­cus Aure­lius Farias, pelas cor­re­ções e sugestões.

Lista de dis­cus­são http://groups.yahoo.com/group/unicamp-esperanto – Esperanto no Yahoo Groups! Em espe­cial para Lucas Vig­noli Reis e Jimes Vasco Mila­nez, pelo ótimo tra­ba­lho em prol do Espe­ranto, tanto den­tro da Uni­camp quanto fora dela.

Retirado do site Nebulosa Nerd´s Bar
http://nebulosabar.com/top/esperanto/